Sábado, 18 de Setembro de 2021 18:09
(11) 99734-5699
Dólar comercial R$ 5,29 0%
Euro R$ 6,2 0%
Peso Argentino R$ 0,05 -0.092%
Bitcoin R$ 266.607,27 +2.269%
Bovespa 111.439,37 pontos -2.07%
Economia Importante

Lei do superendividamento altera práticas de crédito

Novas regras se aplicam também a vendas a prazo.

27/07/2021 02h23
Por: Redação Fonte: INOPLAN TRIBUNA
Lei do superendividamento altera práticas de crédito

Conhecida como Lei do Superendividamento, foi alterado o texto original do CDC para evitar que o consumidor fique superendividado, isto é, não tenha condições de quitar as dívidas contraídas sem comprometer a renda básica necessária à sua subsistência.

A lei estabelece como direitos básicos a garantia da educação financeira, de práticas de crédito responsável e da prevenção e solução dos casos de superendividamento por meio da repactuação da dívida.

Para assegurar as práticas de crédito responsável, o texto legal obriga tanto instituições financeiras como empresas que vendem a prazo a informar o consumidor previamente sobre o custo total do crédito, a taxa mensal de juros, os juros de mora e os demais encargos incidentes sobre atrasos no pagamento, o número de prestações, o prazo de validade da oferta (que não pode ser inferior a dois dias) e o direito de quitar antecipadamente a dívida sem quaisquer custos adicionais. Essas informações têm de constar no contrato, na fatura ou em outro documento disponibilizado ao cliente. A norma ainda proíbe assediar ou pressionar o consumidor para a contratação do produto, serviço ou crédito, sobretudo quando ele for idoso, analfabeto, doente ou vulnerável.

Quando o consumidor estiver superendividado, poderá pedir ao Judiciário uma audiência conciliatória para repactuar as dívidas. Na ocasião, ele terá de apresentar um plano de quitação dos débitos em até cinco anos, preservando o mínimo existencial. Se não houver acordo, o juiz definirá um plano judicial compulsório para credores e devedor.

O credor que não comparecer ou não se fizer representar na audiência de conciliação terá a exigibilidade do débito suspensa e os encargos por atraso interrompidos. Em algumas situações, pode, inclusive, ser obrigado a aceitar o plano de pagamento proposto. Além disso, a ausência fará com que ele seja pago somente depois de os credores presentes terem recebido o que lhes era devido.

https://inoplantribuna.com.br/

#gestao #gestaoempresarial #empreendedorismo #contabilidade #assessoriacontabil #leidosuperendividamento #codigodedefesadoconsumidor #educacaofinanceira #creditoresponsavel #repactuaçãodadívida #planojudicial #instituiçõesfinanceiras

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.